30.3.11

Em busca do bom senso.

Incrível ao assistir os noticiários de TV, ao ler revistas e site, onde se ver pesquisas com vários anos de estudo que chegam determinada conclusão que da aquela sensação de ‘eu já sabia’, vejamos alguns casos:

Médicos da Faculdade de Medicina de Stanford (Califórnia) começou a seguir 538 pessoas com idades entre 50 que correm várias vezes por semana em 1984, e fez comparações com grupo controle sedentário do mesmo tamanho. Os pacientes idosos que estão em constante prática durante vários anos sofreu menos deficiências, têm uma vida ativa mais longa e reduzi em 50% seu risco de morrer mais cedo do que aqueles que estão inativos.

Outra, um psicólogo na Universidade de Sussex, que estudou a capitao-obvio-mestre-do-senso-comumpsicologia de grupo de sobreviventes e testemunhas dos atentados de Londres em 2005. Sua pesquisa mostrou que, em eventos traumáticos, as pessoas sentem uma identidade comum e ajudar uns aos outros. Você pode chamá-lo o espírito Blitz.

Entre diversas coisas que você encontra mídia afora, ou seja um gasto de tempo e dinheiro simplesmente para comprovar o óbvio. Claro que, várias das vezes o senso comum poderia estar errado, e toda a questão da ciência é a confirmar, rejeitar ou quantificar os fenômenos do mundo que nos rodeia.

Como duvidar constantemente até mesmo de suas descobertas, gerando conhecimento através de conhecimento, com uma visão sistêmica e não linear (que é típico do senso comum).

Até aí tudo bem, a ciência é o senso comum melhorado, refinado e mensurável. Mas que acontece várias vezes é a rejeição que alguns cientistas veem o senso comum como tradição de antiquado, uma limitação de nossa cognição. Essa visão de incompatibilidade entre ciência e senso comum surgiu mais forte com Eistein (mecânica quâtica e a teoria da relatividade) que quebra as pernas e noção do senso comum. como resultado muitos cientistas passaram a ver o senso comum como um obstáculo para o progresso, não só na física mas também em outras áreas Por outro extremo tem quando a ciência encontra o senso incomun que por rejeitar o senso comum há uma falta de propósito e longe de ser um problema para uma teoria. 010130101014-teoria-cordas-1                                                                   Teoria das cordas: na trigésima cerveja começa a fazer sentido
Mas para não deixar esse post um wall text vamos deixar isso para outra rodada.

Há também outra forma de se relacionar com o mundo e nós mesmos, que é pelo nosso bom senso que não especializado, e sim o conhecimento comum e julgado, sem rigor metodológico,  aquilo que chamamos de sensatez.
BomSensoPub

Pode comentar, aqui não paga 10% .
 Referências Positive Economist;
                       Edge

Quando a ciência encontra o senso comum.

Incrível ao assistir os noticiarios de TV, ao ler revistas e site, onde se ver pesquisas com vários anos de estudo que chegam determinada conclusão que da aquela sensação de ‘eu já sabia’, vejamos alguns casos:

Médicos da Faculdade de Medicina de Stanford (Califórnia) começou a seguir 538 pessoas com idades entre 50 e sobre a corrente várias vezes por semana em 1984, e fez comparações com grupo controle sedentário do mesmo tamanho. Os pacientes idosos que estão em constante durante vários anos sofreu menos deficiências, têm uma vida activa mais longa e reduzir em 50% seu risco de morrer mais cedo do que aqueles que estão inativos.

Outra,  um psicólogo na Universidade de Sussex, que estudou a psicologia de grupo de sobreviventes e testemunhas dos atentados de Londres em 2005. Sua pesquisa mostrou que, em eventos traumáticos, as pessoas sentem uma identidade comum e ajudar uns aos outros. Você pode chamá-lo o espírito Blitz.

Ciência - Senso Comum


video


O vídeo acima mostra a criança fazendo várias justificativas diante as teorias abordadas pelo professor na sala. Se analisarmos bem, perceberemos que a ciência e o senso comum (que nesse caso é a crença da criança em Deus) parecem andar juntas.



E ai, ciência ou senso comum?


Vemos a ciência ganhar cada vez mais importância no âmbito das "verdades" que cercam a nossa sociedade, isso acontece, pois a mesma busca a verdade em todas as coisas por meio de estudos científicos, testes e comprovações. Os cientistas ganharam cada vez mais respaldo e, a cada dia, novos estudos e novas descobertas mudam nosso cotidiano, nossa maneira de pensar e agir. Afinal, a ciência é um estudo crítico, técnico e especializado que passa por inúmeros processos para se chegar a uma conclusão.


Ao contrário disso, o senso comum, são conhecimentos que adquirimos ao longo do tempo, com nossa família, com a sociedade, com a cultura, entre outros fatos do nosso dia-a-dia, que já de costume, nos levar a acreditar que seja verdade. Acredito que, cada concepção que temos de "verdade" são concernentes a vários conhecimentos vividos por outra pessoa, e que, de uma forma ou de outra até hoje são refletidos em nós.


"A ciência desconfia das veracidades das nossas certezas e de nossa adesão imediata as coisas; a ciência se distingue do senso comum principalmente nesse ponto"

Senso Comum e Ciência.

Começamos hoje com mais um post que geram diversos confrontos, sejam em mesa de bar ou em carteiras acadêmicas, que é a relação de senso comum e ciência na qual é geralmente tratada como opostas.

Temos como senso comum um tipo de conhecimento ou interpretação da realidade  da qual adquirimos no nosso dia-a-dia, baseado na tentativa/erro/acerto, puramente intuitivo, que dependendo dessas experiências empíricas criam-se hábitos que com o tempo passa a tradição e integra o conhecimento de um certo grupo social se tornando um tipo de main-stream de determinada época, subjugando interpretações das minorias. O ser humano conseguiu viver e evoluir milhares de anos sem a ciência.
igalileu                   Galileu foi considerado um louco na sua época com  sua teoria heliocentrica. albert_einstein
Já ciência como atividade adquirida de forma sistemática, reflexiva, encadeando um conjuntos de conhecimentos que abarca verdades gerais ou a operação de leis gerais que estes são baseadas em experiências rigorosas e obedecendo o método científico.
 
Vendo isto já percebemos que tanto o senso comum como a ciência vem da necessidade do ser humano compreender o mundo e a si mesmo. Porém o senso comum é criticado por sua passividade com que o individuo recebe e aceita tais conhecimentos levando o individuo a ter comportamentos as vezes idiotas (O mito da chinela emborcada, a versão que eu ouvi dizia que quem deixasse a chinela emborcada a mãe morria.) ou se pondo de maneira vulnerável as vontades das instituições, classes e ideologias dominantes (‘ismos’ de todos os tipos). 
chinelaemborcada
Duvido você deixar ela como está.
Já a ciência busca um senso crítico, refinado, lógico, liberta o indivíduo para dúvida, faz perceber ‘que nada é porque é’, que só porque certa atitude funciona ela não necessariamente é a melhor forma.
Resumindo a ciência é o refinamento do senso comum, um passo além, mas por esse mesmo motivo que não podemos simplesmente ignoras o senso comum.

Referências:
Paratexto.

Senso Comum e Ciência.

Começamos hoje com mais um post que geram diversos confrontos, sejam em mesa de bar ou em carteiras acadêmicas, que é a relação de senso comum e ciência na qual é geralmente tratada como opostas.

Temos como senso comum um tipo de conhecimento ou interpretação da realidade da qual adquirimos no nosso dia-a-dia, baseado na tentativa/erro/acerto, puramente intuitivo, que dependendo dessas experiências empíricas criam-se hábitos que com o tempo passa a tradição e integra o conhecimento de um certo grupo social se tornando um tipo de main-stream de determinada época, subjugando interpretações das minorias.

Já ciência como atividade adquirida de forma sistemática,reflexiva,encadeando um conjuntos de conhecimentos que abarca verdades gerais ou a operação de leis gerais que estes são baseadas em experiências rigorosas e obedecendo o método científico.

Vendo isto já percebemos que tanto o senso comum como a ciência vem da necessidade do ser humano compreender o mundo e a si mesmo.

29.3.11

Objetivar a Subjetividade e Subjetivar a Objetividade

Objetivamente: se exposição do assunto e apresentar impessoal, marcada pela presença do raciocínio e da lógica universal, com posicionamentos e ideias aceito por todos, ou por uma maioria. Subjetivamente: quando predominam, na exposição de idéias, suas próprias opiniões, sua maneira pessoal, particular de encarar e ver as coisas. Tendo com base estes conceitos, objetivar a subjetividade seria como: uma criança nascida e criada na favela do rio de janeiro tivesse o desejo se ser jogador de futebol, para isso deveria jogar nos campos e torneios de terra e dar o seu melhor, assim como outros fizeram e obtiveram sucesso, como na imagem abaixo. Já subejtivar a objetividade, partindo para o campo esportivo, seria como observar o melhor time do mundo jogando e adotar todas as características ao humilde time que qualquer um tenha em mãos para treinar, como ilustração abaixo.

Ciência e Senso Comum

Bom, a diferença básica entre senso comum e ciência é pelo simples fato de que senso comum parte do princípio das experiências ou relatos vividos ao longo do tempo, e que com o passar do tempo sendo verdadeiras ou não já estão inseridas nas pessoas como verdades, mesmo tal afirmação nunca sendo comprovada mas sim afirmada por nossos avós...bisavós e antas que pelo simples fato de arder na pele atestam que pasta de dente é bom para espinhas. Já a ciências comprova tudo o que fala através de experimentos, que através do uso de probabilidade e estatística afirmam ou desbancam mitos já existentes...aí vos pergunto...são 22:15...aula de Contabilidade nos 4 horários...imaginem o segundo período que passamos...pense como está sua mente neste momento...acabou a aula e está chuvendo...calma, não xingue...imagine que seu transporte está nos estaciomento...aí vos pergunto: para não se molhar e consequentemente não molhar os estofados do seu automóvel, voce vai andando ou vai correndo? use o senso comum... Pois bem...aposto que como estas antas aqui acima correm para não se molhar, nós também fazemos isso, embora seja comprovado cientificamente que andando molha a mesma quantidade ou até menos..isso mesmo..menos! segue matéria do portal terra comprovando...http://educacao.terra.com.br/vocesabia/interna/0,,OI1385544-EI7870,00.html

Senso comum e ciência - Daquilo que eu sei


Primeiramente darei o significado de senso comum e da ciência: Segundo o dicionário Aurélio: SENSO COMUM: Conjunto de opiniões e modos de sentir que, por serem impostos pela tradição aos indivíduos de uma determinada época, local ou grupo social, são geralmente aceitos de modo acrítico como verdades e comportamentos próprios da natureza humana. CIÊNCIA: Conhecimento; Saber que se adquire pela leitura e meditação; instrução, erudição, sabedoria. Conjunto de conhecimentos socialmente adquiridos ou produzidos, historicamente acumulados, dotados de universalidade e objetividade que permitem sua transmissão, e estruturados com métodos, teorias e linguagens próprias, que visam compreender e, orientar a natureza e as atividades humanas. Campo circunscrito, dentro da ciência, concernente a determinada parte ou aspecto da natureza ou das atividades humanas, como, p. ex., a química, a sociologia, etc. Daquilo que eu sei Nem tudo me deu clareza Nem tudo foi permitido Nem tudo foi concebido Daquilo que eu sei Nem tudo foi proibido Nem tudo me foi possível Nem tudo me deu certeza Não fechei os olhos Não tapei os ouvidos Cheirei, toquei, provei Ah! Eu usei todos os sentidos Só não lavei as mãos E é por isso que eu me sinto Cada vez mais limpo... (Ivan Lins e Vitor Martins. In: Lins, Ivan. Daquilo que eu sei. Rio de Janeiro: Polygram/Philips,1981)

23.3.11

Subjetividade e Objetividade no Cotidiano.


As 09:30 de hoje dia 23.03.2011, lembrei (subjetividade) que teria que postar em um blog, inicialmente verifiquei em meu e-mail se havia algum convite para me... não ele não estava lá. Ao chegar do almoço as 13:25 da tarde (no trampo), verifiquei novamente no e-mail se o convite para o blog chegara, simmmm... Lá estava o super e imenso convite que mudaria minha tarde, entrei e fiz o cadastro. As 15:30 em um pequeno intervalo que tive no trabalho comecei a “pagar todos os meus pecados”, nesta dia ler foi meu maior desejo (como nunca li antes), pensei muito de repente comecei a sentir cheiro de fumaça, me olhei no espelho (já desesperada), mas nada saía da minha cabeça, ao abrir a porta percebi que era o carro fumacê passando pela rua (Objetividade) e continuei com meu desespero (Subjetividade) ... No fim de tantos pensamentos (subjetividade) cheguei ao um fim, tudo que eu mas temia um resumo, uma idéia, percebi que o meu dia havia se tornado Subjetividade e Objetividade. Explicando minha tarde:

A subjetividade é o intimo do indivíduo, seu pensamento, suas emoções, entre outros. O Individuo o constrói para se relacionar com os “outros”. Um relacionamento ou relacionamentos nos inserindo no meio social, onde cada pessoa ocupa um papel. Já a objetividade é relativo ao objeto, prático, positivo. Diz-se do que é válido para todos e não apenas para um indivíduo, de fenômeno natural. No método interativo, o valor final para o qual convergem progressivamente os resultados das sucessivas interações.

“Superficialmente falando” Objetivo é aquilo que as pessoas recebem e tem o mesmo entendimento do assunto. Já o subjetivo cada um tem uma interpretação diferente daquilo que recebeu. Na verdade não obrigatoriamente as pessoas terem opiniões diferentes, porém a subjetividade pode resultar em opiniões diferentes.

Subjetivar a Objetividade - (28.03.2011)No meu ambiente de trabalho pude presenciar uma situação em que cada telespectador teve uma visão diferente do assunto, uma garota supostamente usava “bundex”, mas para uns era mentira para outra (o) verdade, com tantos comentários, resolvi analisar, chegando a seguinte conclusão que subjetivar a objetividade é a opinião que cada ser humano da ao mundo, ao que presencia, cada significado.

Subjetividade x Objetividade

Quantas vezes não ouvimos: "Ah, isso é subjetivo. Depende de cada um."?! A partir dessa comum frase podemos explorar, de uma forma bem clara, o conceito de subjetividade. Em vias objetivas (perdoem o trocadilho), subjetividade é aquilo que existente no sujeito; individual, pessoal, particular. E subjetivar, o que é? ou indo mais além: o que é e como subjetivar a objetividade? Qualquer pessoa pode pensar: "Agora complicou tudo"! Mas não. Vamos entender isso bem agora.
Subjetivar a objetividade é trazer aquilo que é objetivo para o seu campo pessoal, para os seus pensamentos e consequentemente para a sua interpretação. De forma mais clara, objetividade vem daquilo que é objetivo, aquilo que é real. Então subjetivar a objetividade é trazer para o seu campo possoal de idéias aquilo que é real, que é válido para todos, e não apenas para um indivíduo. Quando uma banda toca uma música, é objetivo que o efeito sonoro que ela emite é recebido pelos nossos ouvidos, porém é subjetivo que ela traga "paz ao coração".
Objetivo, como vimos um pouco acima, é aquilo que é real, válidos para todos os indivíduos, e não apenas pra um. Partindo dessa premissa, o efeito de objetivar a subjetividade significa tornar real, tornar concreto aquilo que é válido apenas para um indivíduo, o pensamento ou idéia de uma pessoa. Um homem que acredita que as empresas crescem se seus funcionários trabalharem motivados, é um pensamento subjetivo. Mas se ele conseguir motivar os funcionários e provar isso na prática, torna-se algo objetivo, real, visível e válido para todos.

21.3.11

Depois de algumas tudo fica meio subjetivo.



               Em nossas vidas nos deparamos com diversas dicotomias, sendo umas das destacáveis a subjetivo-objetivo que às vezes revelam problemas difíceis de resolver.
Onde com a objetividade buscamos ter uma visão genérica, impessoal, estática e hipotética, ou seja, de uma forma científica positivista.  Já com a subjetividade teremos uma percepção específica, personalizada, dinâmica e concreta semelhante à encontrada nas artes.
A relação de objetividade e subjetividade faz alusão à relação sociedade e individuo ou particularidade e a universalidade, área que abrange a psicologia. Onde se observarmos a síntese dessa relação tomando somente um dos lados dessa dicotomia será puramente reducionista, econômica e preguiçosa à medida que eu tenho opções de escolha e defesa limitadas, no caso de apenas duas.  Fazendo com que tenhamos um ponto de vista pelo determinado tema abordado deficiente e muita das vezes radical.
Atenho-me a dizer que não só na psicologia como também em todas as outras ciências humanas a relação objetivo-subjetivo não são antagônicas e sim complementares, onde fazendo uma síntese dessas diferentes percepções é essencial para uma abordagem mais completa.

20.3.11

Subjetivar a objetividade e Objetivar a Subjetividade

Bom, segundo o minidicionário Luft página 448..objetivo siginifica coisas materiais, reais, concretas, excluindo os sentimentos pessoais e já na página 580...podemos ver que subjetivo significa as idéias ou preferências da própria pessoa, ou seja, são opostos. Após ler repetidas vezes seus significados, fui ao ambiente preferido dos autores deste blog beber a inspiração do dia por voltas das 22:30 e eis que a cada ml ingerido...novas opinões surgiam e cheguei a conclusão que subjetivar a objetividade são teses baseadas em fatos concretos existentes ao longo do tempo que servem de base para teses próprias, pensamentos pessoais baseados ou sustentados por fatos concretos antepassados, posso citar como exemplo o que ocorre no mundo esportivo, mais especificamente no futebol, onde times campeões possuem sua táticas copiadas, ou ao menos...tentam ser copiadas...já ouvimos falar no carrosel holandes e atualmente na tática 3-5-2...onde os times adotaram esta táticas por ter sido uma tática utilizada por times campeões, com isso os tecnicos com as peças que possuem no seu elenco adaptam a tática com o intuito de obter sucesso como os times que as utilizaram e foram campeões. Já Objetivar a Subjetividade penso eu que toda e qualquer idéia de uma pessoa tem um final objetivo, que venha se tornar algo concreto.